25/01/2014

Ao certo, ou incerto?

Não sei bem como estou lidando com isso...
As vezes, no meio da noite vejo minha mãe chegando perto de mim e me perguntando 'Mais uma noite?' e eu simplesmente tento esconder meu rosto e minhas lágrimas.
Agora ficou claro que não adianta muito falar, explicar ou tentar entender que as coisas não são como um dia achei que eram. No silêncio da noite é que as coisas veem a tona, é que a dor machuca mais. É um vazio profundo, com espaço do tamanho do vento, que não é possível pegar, pois evapora como fumaça.
Lidar com meus fantasmas, meus medos e os machucados nunca foram tão difíceis. Talvez por... Bom, eu não sei o motivo de doer tanto e ser tão difícil esquecer, principalmente no tempo em que um sorriso e uma felicidade tem que ser criada, para não transcrever o que minha alma grita.
Não sei até quando e também não sei onde vou chegar com isso, espero que chegue logo ao fim.

2 comentários:

  1. Não adianta alguém tentar nos alegrar, parece que só piora. E as vezes doí tanto que a gente pensa que não tem mais sentido o que estamos vivendo, mas sei de uma coisa. Quanto mais a gente sofre, quanto mais nós caímos é aí que aprendemos como a vida é de verdade, como as pessoas são de verdade...
    Texto muito bem escrito, parabéns.
    beijos
    leehlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
Book e Cofee Copyright 2014 ©
Designe By
- Kris Monneska Conversas de Alcova