18/01/2015

Breve desabafo sobre vidas

Como explicar ao tempo, senhor das dores, que eu preciso que ele voe. Mas que ele voe pra tempos atrás, anos e mais anos, até onde tudo isso teve início. Lá atrás onde havia um porto certo, um caminho cuidado, uma casa no mato e um som de cachoeira para a criança dormir. Eu poderia entregar meus bens, meus próximos eu's, só para sentir o amor que em outras vidas houveram, um sorrido sincero e terno, um amor desmedido e reciproco, um amor que por vezes não cabiam só dentro do peito. Ah, senhor de todas as dores... Queria uma explicação, um motivo aparente para que nessa vida tudo fosse o oposto do que foi no início. Ah, quem me dera por dias a dias poder reencontrar aqueles olhos negros tão grande quanto os meus, com um sorriso que mais parecia desenhados por anjos, aqueles cabelos que eram iguais aos dele e que me tomava a vida e o amor por inteiro. Quem me dera ver os dois sorrisos, quem me dera ser eu mesma em três, quem me dera não estar mais sozinha aqui, quem me dera poder reencontra-los e poder viver mais uma vez tudo aquilo que as montanhas foram testemunhas.

3 comentários:

  1. Muito lindo!!! Moro em garanhus. Por acaso descobri seu blog. Sempre me inspiro nele pra escrever pro meu amoreco!

    ResponderExcluir
  2. A dor de dois pais separados é o que filhos podem sentir sem ser dita. Doces lembranças da infância.

    ResponderExcluir

 
Book e Cofee Copyright 2014 ©
Designe By
- Kris Monneska Conversas de Alcova