12/09/2016

Mais uma carta à você

Próximo mês faz um ano que você se foi, também vai fazer um ano que parte de mim morreu, um ano que tudo que eu escrevo é sobre você, sobre como me dói não ter você comigo.
Eu perdi minha sensibilidade do mundo, pra mim só existe a falta que você me faz, só existe o imenso vazio que você deixou. 
Algumas pessoas dizem que é bobagem, que foi tão pouco tempo que você esteve comigo, que nem deu pra te amar... Isso é a maior mentira, a mais deslavada, a mais sem noção. O mal do mundo, meu amorzinho, é não saber o quanto o peso das palavras machucam, e eu fico, as vezes, até feliz de você não ser vítima desse povo maldoso.
As vezes eu acordo no meio da noite e fico imaginando como seria eu ter que acordar pra cuidar de você, fico idealizando o seu rostinho, seu sorriso, seus olhos e suas mãozinhas, e nisso eu sofro, sofro por não ter você. Foram 8 semanas que me despertaram um sentimento que eu nunca imaginei sentir, era o amor reproduzindo em um coração que batia. Mas nada é como há um ano atrás, quando eu já/ainda tinha você.
Meu amor, eu te amo, te amo muito e sempre escreverei pra você. Não me importo se todo o meu dom se foi com as amarguras que passei, mas eu nunca deixarei de escrever à você, meu eterno e amado bebê.


imageem: Natitun

 
Book e Cofee Copyright 2014 ©
Designe By
- Kris Monneska Conversas de Alcova