08/02/2017

Instagram Literário

Olá, pessoal...
Estava eu de boa, quando de repente me bate uma vontade de falar sobre alguns ig's que sigo com o tema de livros. Existem váááááários e cada um mais bem cuidado que outro. Eu, por vezes, fico lá babando os conteúdos de cada um. Então, por que não dividir com vocês?


O primeiro é o Livros em Flores da Karoline Kaufmann e eu simplesmente sou apaixonada.


Já esse aqui conheci recentemente e é o ig do blog de mesmo nome da Narah Lorrana, o Ler Antes de Dormir.



Esse aqui já vou falar com bastante carinho, pois é o ig da Kézia Martins, ela é escritora e um doce de menina, acompanho a Kézia desde um grupo de leitura no Facebook. O blog dela é muito amor.



Puro amor, assim classifico o ig da Amanda Ferreira e vocês vão concorda comigo.



E por último, e não menos especial, o da Alyssa o qual simplesmente fico namorando e namorando rs.


Bom, pessoal, espero que vocês gostem das indicações e sigam todos os ig's, pois assim como eu vocês vão amar cada um deles.
bjs...







07/02/2017

Novos Ciclos

A caneca de café caiu da minha mão, se espatifou no chão como se fosse numa cena de filme, exatamente naquela hora que se recebe uma notícia ruim do outro lado da linha no telefone.
Embora os dias passem, os novos comecem e os velhos se findem, eu não sei lidar muito bem com recomeços. Sou tão nostálgica, e isso é péssimo, as vezes.
Eu, recentemente, ando querendo acreditar que fui uma pessoa ruim, prefiro acreditar nisso do que acreditar que as pessoas que tanto amei foram milimetricamente calculistas na hora de me descartar, de mudar suas páginas e me deixar no capítulo anterior. Eu ando indo dormir com a concepção de que novos horizontes são minha única escolha, porém, ainda não sei como.
Eu prefiro acreditar que preciso comprar canecas novas, reaquecer meu coração e escrever sobre amor, paz e luz. E deixar que o que tiver de acontecer venha até mim na hora exata. E se realmente fui uma péssima pessoa, que eu possa me redimir.


06/02/2017

Todas as Vezes

É tão incomum, não é mesmo, baby? Essa mania chata de mexer nos cabelos sempre que o nervosismo toma conta, todas as vezes que sente-se inquieta e insegura. Eu conheço esse teu coração tolo tão bem, essa mania desmedida de se culpar e inclusive de se vitimar. De por vezes se colocar no lugar de Jesus e sentir-se crucificada. E se eu pausar minha música e te falar que isso é normal, que o mundo anda essa bagunça de pessoas maltratando pessoas, de mulheres acusando mulheres, de homens falando asneiras e crianças egoístas e egocêntricas?
Baby, abre a janela quando o sol estiver nascendo e absorve aquela paz que só os primeiros raios da manhã trazem, ouve também o som os pássaros e sente a maciez de seus gatos nos carinhos em suas pernas.
Baby, não se culpe ou nos culpe. Você é humana e tem todo direito de errar, mas saiba que nem todas as vezes que você maltrata-se a culpa é sua


03/02/2017

Eu Acredito Nos Sonhos

Há tanto tempo que eu não tomo sorvete durante a noite, também tem muito tempo que eu não escrevo sobre pessoas que não existem vivendo coisas que não aconteceram em lugares que eu nem conheço. E faz tanto tempo que também não fumo e nem como comida mexicana. O tempo passa e eu não faço coisas que eu costumava fazer, como por exemplo, ir naquele restaurante chines que a atendente já era minha amiga, na última vez que fui por ali o restaurante estava até fechado... Será que aquela moça já realizou todos os seus sonhos? Queria falar pra ela que eu não. Que o Dave não teve um final feliz com a Sava, que o Rafael não soube mais nada do filho, Que a Alice ainda não perdoou sua mãe... Onde estão minhas ideias? Por qual motivo eu ainda não finalizei as minhas estórias de pessoas que não existem, além de na minha cabeça. Porque pouquíssimas pessoas tem a sorte de sentir raiva e amor pelo Dave? Eu deveria sorrir mais, escrever mais e pelo menos sujar minha boca com pimenta só pra lembrar da maravilha que é a culinária mexicana. Eu deveria fazer tanta coisa e ando devendo pra mim mesma, ando devendo me dar mais oportunidades. Olho no espelho e me procuro com 20 anos, cheia de sonhos e de histórias para escrever, onde estou ou com quem estou? Vou me libertar, me amar mais. E principalmente, dar um rumo nas minhas três estórias, para ao menos meus amados personagens, serem felizes.



02/02/2017

Preciso falar sobre Paulo Coelho

Bom, do nada me veio as lembranças das melhores horas da minha adolescência. Horas e horas foram dedicas a leitura, coisa que sempre amei. Fosse pegando livros da biblioteca da escola, compra de sebo virtual, pegando emprestado... Mas um belo dia me falaram sobre VERONIKA DECIDE MORRER, e minha Deusa, como eu quis aquele livro, eis que também do nada me aparece uma colega de turma lendo, e claro que pedi emprestado. Foi ai que tudo começou. Eu amei aquela história, eu amei cada palavra e eu decididamente precisava ler mais do que ele escrevia.
Na mesma época vários livros dele vieram no catálogo da avon (qual leitor não tem seus livrinhos da avon?) meu primo comprou alguns e mais uma vez fui no 'meemprestaporfavoreuprecisomuito' e assim li mais alguns dos meus grandes amores.
Foi engraçado que fui forçada a adquirir um novo habito, que vive até hoje, de ler ouvindo música, pois minha casa estava passando por reforma. Mas não poderia ser qualquer música, teriam que ser especiais, e assim, não me lembro como, mas consegui CDs de músicas celtas (ou algo assim) e dediquei bastante tempo a Brida, A Bruxa de Portobelo, O Demônio e a Srta Prym, Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei e Onze Minutos. Esses foram os que me embalaram naquele ano, ou um ano e meio mais ou menos até conseguir todos. E nada poderia existir dentro de mim, além das lembranças, ao não ser gratidão, por esse homem ter me permitido mergulhar em outro mundo e me sentir tão única. Por sofrer, amar, sorrir, chorar, viver com todas aquelas pessoas que conheci nos livros.
Ao longo do tempo escutei tantas críticas à esse homem que jamais poderia concordar, apenas defender em algumas vezes e noutra fingir de boba e surda, pois não posso bater de frente com opiniões ou conceitos formado por quem não tem conhecimento por determinado assunto, e cá pra nós, Paulo Coelho é assunto de todos, mas pra poucos entenderem. E os que entendem, ah que maravilha é caminhar nesse mundo.
Por um tempo dei uma pausa na leitura, só alguns por ano. Permiti-me conhecer outras coisas e outras leituras, mas não se passa um ano se quer que eu não leia Brida, e eu morro de orgulho dos livros dele que carrego comigo e de cada história que aprendi, e se eu pudesse, sinceramente, um dia encontra-lo, eu simplesmente o abraçaria e sentiria bater o coração de cada personagem criado ou relatado.


Vou deixar o link de um vídeo com o estilo de música que ouvia ao ler os livros, da pra ter noção de como era maravilhoso ler ouvindo isso.






01/02/2017

Essa é (talvez) pra você

Vocês já ouviram falar em pessoas que não tem ponto fixo? E não, não estou falando dos andarilhos ou hippies. Eu estou falando de pessoas que abandonam seus sonhos, que começam projetos e os deixam pelo caminho, pessoas que estão conversando empolgadas no whatsapp e simplesmente bloqueiam o telefone e deixam o outro falando sozinho, também me refiro aquelas pessoas que marcam de sair e no dia conseguem inventar desculpas melhores que personagens de desenhos animados.
Bom, vim falar, talvez xingar, essas pessoas... Quer dizer, eu não sei bem fazer isso, vai contra meus votos. Mas cá entre nós dois, você que ler isso e se identificou com uma pessoa sem ponto fixo, sinta-se tomando um tapa bem no meio do braço, daqueles que a marca do dedo fica na pele e além da marca a ardência.
Não faça mais isso, tente concluir seus planos e sonhos, suas rotas e trilhas, e principalmente sua palavra. Considere o sorriso do outro, a alegria do outro, a espera do outro e em primeiro lugar, a sua satisfação pessoal. Se isso, de algum modo, fez você repensar, sinta-se muito bem abraçado e saia já de sua zona de conforto e vá por em prática suas metas, as de ontem ou as de 2013.


 
Book e Cofee Copyright 2014 ©
Designe By
- Kris Monneska Conversas de Alcova